25 dezembro 2011

Mix #MemeDasAntigas


Vale fazer um "meme-combo"?!

Ain, tomara que sim! #) hahaha

É que a semana foi mega complexa e eu realmente não queria pular nenhum tema.. então vou tentar resumir alguns posts nesse aqui, blz?! 

Ok, here we go:


#Mas 2011 ainda não acabou, ainda vou tentar...

Emagrecer, Claro!
Eu sei que é uma época filha da... mãe! pra emagrecer, mas eu tô focada!
Entrar na academia em novembro e se manter longe da rabanada (mais por causa da gastrite que da força de vontade) parece loucura mas até agora tá dando certo!
Vamo que vamo, chegar hot hot em 2012! (Ou pelo menos no meio dele, sei lá... hahaha ;P )


#Meu filme preferido em 2011

Nem sei se esse filme é de 2011, mas já até falei dele por aqui... Cartas para Julieta (Letters to Juliett).
Sabe aqueles romances melosos e previsíveis? Bem coisa de menina? Poisé, foi esse o filme que mais me tocou em 2011. Por motivos bem particulares, mas também por ter um final feliz, uma trilha delicinha, ter um mocinho britânico, se passar na Itália e ter uma mocinha escritora. Ai ai... (L)

hahaha ;)


#Meu site/blog preferido em 2011

Eles são DE-MAIS!
Vale muito à pena, seja pra dar risada, seja pra procurar informação, pra ouvir opiniões bacanas, o que você achar melhor!
#soufã


#Um vídeo do YouTube em 2011


Fala sério, gente! Tem coisa mais fofa do que essa?!
Pra mim, o mais gostoso é o papis dividindo uma paixão tão lindo como a música com a baby que embarcou de cabeça, né?!
Fofos demais!!


#Meu livro favorito em 2011



Ok, eu sei que é mais um romance de menina. 
E esse é só pra quem tem paciência e é menina mesmo! Porque é a história de uma adolescente americana que vai passar o último ano do High School na França e rola aquela descoberta óbvia do primeiro amor e tal... É lindo, mas bem previsível.

Mais uma vez, motivos particulares me fizeram escolher esse livro pra registrar aqui.
Foi lido num momento mágico, tudo conspirou sabe?
:)




O resto eu deixo pra amanhã junto com o post de Natal! ;)

Beijos, gente!!

Uma noite de Natal linda pra todo mundo! 



18 dezembro 2011

Peraí... 2011 tá acabando? #MemeDasAntigas


Depois te algum tempo sem muita inspiração pra aparecer por aqui, o Meme das Antigas (que proposta deliciosa, Max!!!) - que eu vi no A vida como a Vida Quer da fofa Sam - me trouxe de volta!

Tô atrasada, mas ainda dá tempo de fazer os 15 posts!
(nem que faça 2 por dia! hahaha)
#vambora?! ;)


Então... 2011 tá acabando. E quando eu vi o título do post, automaticamente minha cabeça tomou um susto e berrou "Caraca, mas já?!?!?!!"

Poisé, gente... já!

Com isso, algumas conclusões:

1 - Depois dos 25 anos o tempo passa mais rápido. #fato

2 - Depois dos filhos, o tempo passa mais rápido! #fato²

3 - Eu tive tempo suficiente pra fazer tudo que planejei no final de 2010, mas não fiz por dispersão e falta de foco. Ainda bem que nessa reta final eu tomei vergonha na cara e me pus nos eixos. Eba! ^^

4 - Bem que me disseram que 2011 não seria um ano fácil. #nossasenhoradosperrengues

5 - Já que 2011 já tá no finzinho, que venha 2012 com sua promessa de energias mais brandas e mais motivos pra agradecer ainda mais à vida por tudo que ela traz - e leva embora!!!

Beijocas!


01 novembro 2011

"Era uma vez..."

Era uma vez uma menina que passou a vida achando que tinha nascido pra ser uma grande executiva.

Aos 8 anos, queria ser escritora.
Aos 12 se encantou com a publicidade.
Aos 16 viu que não tinha dinheiro pra pagar faculdade e resolveu ser engenheira.
Aos 18 viu que não adiantava ser algo que não lhe despertava paixão.
Aos 19 virou produtora e entendeu o que é amar o que faz.
Aos 20 deixou o ninho e se jogou no mundo.
Brilhou, amou, aprendeu, viveu muito mais situações e sensações que julgava possível existir.

Aos 23, essa menina viu tudo o que ela jurava ser seu destino perder o valor e o sentido. Existia algo muito maior em sua vida agora: Sua menina.
E agora ela não era mais só menina, era mãe.
E até os 25, foi basicamente isso: Mãe.
E a sua menina, agora aos 2, dava o sinal: "Você precisa arrumar o que fazer, mãe. Eu não vou precisar de você 24h pra sempre."

E a menina-mãe achou que era muito simples: Agora que a sua menina tinha vida além do seu colo, era só voltar a trabalhar naquilo que ela amava tanto.

Mas nenhum conto de fadas existe sem um percalço, um conflito. E a menina-mãe percebeu que não dava pra ser a mãe que a sua menina merece E ser a profissional que ela sempre foi.
Teimosa e destemida, enfrentou seus limites e disse pra si mesma: "Eu posso!".
E a vida tratou de retucar: "Claro que pode, mas não dá pra ser tão boa quanto você pode nas duas coisas. Você precisa escolher."

E a menina-mãe pensou muito. Achou que adiar a volta ao mundo apaixonado do seu trabalho podia ajudar.
Não ajudou. E o sentimento de ser "menos mãe" tomou conta dos pensamentos da mãe-menina.

E ela ponderou, se perguntou, demorou, mas admitiu: Eu não nasci pra ser nada que me impeça de ser melhor mãe que eu puder ser.

E isso não quer dizer que ela vá abandonar suas paixões, seu amor pelo que faz.
Ela só terminou uma relação fadada ao fracasso e escolheu se dedicar a um novo amor.
Um amor que a permite ser a mulher-mãe que ela realmente é.

Assim, a menina-mãe achou seu caminho e acaba de dar o primeiro passo para ser "feliz sempre".

E "fim". ;)







A partir de hoje, assumo uma nova direção, com deliciosos desafios e um sorriso lindo que me espera em casa dizendo "mamãe, eu tô muito feliz porque você está aqui.".

Agradeço muito à minha mãe que torna tudo isso possível.

Agradeço a todos que estão na minha vida pra me questionar, porque sem vocês eu não teria assumido que nasci pra ser mãe e trabalhar com alguma coisa que me faça feliz.

Agradeço aos meus queridos colegas de trabalho de quem vou morrer de saudade. Acolher uma mãe em "crise de identidade" com o carinho que vocês fizeram, não tem preço.

É isso... vida nova, recomeço, sorrisão no rosto e um grande compromisso comigo mesma: Ser quem eu sou e ser feliz!

Vambora?! ;))





PS: Sinto que os alicerces dessa construção já podem sustentar os primeiros tijolos das paredes que vem por aí. Eba! :D


23 outubro 2011

Hora de nanar, edição especial de domingo

Oi gente!!

Eu sei que tô devendo as noites 4, 5 e 6 da caminhada "dormir sem TV - ou youtube!", mas é que foram noites cheias de detalhes e eu preciso de um tempão pra descrever direito.
Como ainda não achei tempo pra isso, corri enquanto ela cochila pra mostrar uma ediçãozinha especial desse soninho da tarde.
Olha que delícia:

Depois do almoço, um papo no skype com o Papai:


Algum tempo depois, o soninho chegando e ela pede licensa pra ir pegar a revistinha da Mônica...


Com o sono já dominando o pedaço, ela deita e pede pro papai ficar até ela dormir...


Folheia algumas páginas e...


Sem trauma, sem insistência por desenho, sem pedir pra ir pra sala. 
Quase chorei, confesso. hehehe #)
Me surpreende a cada dia essa pequena.

Beijocas =**

19 outubro 2011

Hora de nanar, Vol 3

Quarta-feira: Terceira noite e mais um dia atípico com mudança de móveis dos quartos e muita chuva.
Massss, contrariando todas as espectativas, às 21h30 ela estava assim:


E sem desenho, genteeee!!! Não é o máximo?!?!?!! :DDD

Olha o script:

19h30 - Acabamos de arrumar o quarto e fomos escovar os dentinhos (ai, eu preciso falar disso depois!!! hahaha) e tomar um banho quentinho.

19h45 - Julia linda e cheirosa, mãe acabada. Combinei com ela que ela veria meia hora de desenho enquanto eu tomava banho e jantava.

20h15 - Deitei ao lado dela e num vacilo rápido, mudei de Discovery Kids pra HBO Plus, onde rolava Cirque Du Soleil (adoooroo!!). Foi um passo pra primeira versão de "Chapéuzinho Memêlho" da noite!

"Mamãe" - sussurrando perdo do meu ouvido - "O ôbu sopô a casa da chapéuzinho!"
"E foi, filha?! E aí?"
"E ele comeu ela, a vovózinha, a mamãe e o papai!"
"Eita Ju, e agora?" - Fiquei apreensiva, juro! hahaha
"Apaêceu um caçádô!"
"E o que ele fez, bebê?"
"Bebê não, eu sou Maía Júlia... Aí ele pegou uma vassoura e "pof" "pof" no ôbu e salvou todo mundo. E fim. Agora você, mãe!"

E fui eu contar uma versão "estendida" pra ver se ela adormecia.
Não deu certo, mas eu não desisti! Ela contou mais uma vez e eu insisti que ela fechasse os olhinhos pra dormir.

"Num cunsigo, mãe, e agora?"
"Tenta, filha."
"Num cunsigo."
"Faz assim: Fecha os olhos e conta até dez sem abrir." - Minha versão dos carneirinhos, certo? :P
"Um, dois, trêsquatrocincoseisseteoitonovedez"
"De novo..."

E assim foi até o primeiro bocejo. (Yes!)
Depois uma musiquinha dos tempos de mamar e uma massagenzinha de leve nas costas e... voilá!!!!

Juju apagadinha duas horas mais cedo e sem desenho na TV!!!

Who's the boss, baby?!?!!

hahaha

Ainda falta bastante! Manter o que fizemos hoje já vai ser um desafio, embora ache que levar todo o processo pro quarto vai ser o mais difícil!
Acho que uma semana é utopia, mas duas talvez sejam um bom prazo.
Devagar e sempre, porque prazo é o que menos me preocupa diante de tamanha conquista, né?

Beijocas

Hora de nanar, Vol. 1 e 2

E na teoria tudo é lindo...

Jantar, brincadeira levinha, banho, leitinho, história e soninho às 20h30, certo?!

You wish! Mas é claro que não!

Na realidade acontece assim: Mãe chega cansada por volta das 18h30/19h... a Julia já jantou e está correndo pela casa ou montando castelos de lego ao som do Discovery Kids.
Mãe janta correndo com a pequena dizendo que "picísa de uma amiga" pra brincar...
Meia horinha de brincadeiras/conferência do dever de casa e já são quase 20h.
Passamos pra etapa do banho de espuma. Lindo, relaxante, divertido, tudo de bom! Pijama e... "mamãe, quero desenho no cúntadô".

Poisé, eu caí no erro mais batido de todos: A TV guiando o ritmo da hora de dormir! (Por falar nisso, quem pensou em pôr Lazytown e Hi-5 por volta das 21h, gente?! É pra acordar a molecada de propósito???)

Ok, depois de meses com o cansaço me fazendo ceder, resolvi tomar as rédeas e acabar com essa história! Então, vamos por partes...

Segunda-feira: 19h30. Banho de espuma, pijama e... história!! :D
Tirei o som da TV e pus no RaTimBum que a essa hora já não tem muita coisa que interesse a ela. Deitamos no sofá e começou a sessão "histórias-pela-metade-by-maria-julia".  


Só pra deixar claro: Quem conta história é ela!
Eu sabia que no início ela ia demorar mais pra dormir, mas... 21h... 21h30... e nada! Eu estava prestes a dormir antes dela quando os livros perderam a graça e começou a já esperada manha...

"Mamãe, qué desenho no cúntadô" - já perceberam o tom de gatinho ronronando?
"O computador da mamãe tá quebrado hoje, Julia."
"Então qué desenho na teêvisão" - mais manha...
"Hoje não, filha, quer que a mamãe pegue a zebra?"
"Não... qué desenho..." - já com alguma irritação no lugar do dengo.
"Quer uma musica?"
"Não, mamãe, desenho..." - tipo "você ainda não entendeu?!"
"Quer escolher outa história?"
"Não, mãe, desenho!!!" - agora começou a irritação de verdade.
"Hoje não, filhota. Vamos ver um filme?"
"Nãaaoo, não quéro fúme, mamãezinhaaa..." - e o choro toma conta da situação.

Eu confesso, podia ter resistido um tanto mais, mas eu estava exausta.
10 minutos de choro e eu cedi. A deixei ver o Pocoyo. Com o aviso de que depois os desenhos todos iam "nanar" e ela também, mas deixei. Aquele aviso de consolo pra gente não admitir que ela venceu, né?
 
Momento "Eu venci e tô vendo meu desenho em paz."
Acabou o Pocoyo. E Julia? Chorando mais uma vez porque queria ver o Barney. Tirei forças sabe deus de onde e dei um não definitivo.
E senta que lá vem o choro, né? A manha misturada com o sono - que já tomava conta dela há horas - rendeu um chorinho miúdo de... 5 minutos! Isso, gente...Cinco minutinhos e *puf*... ela apagou, acredita?! 

A estratégia: "Os desenhos foram todos nanar, agora a mamãe vai pôr um filme!"
Achei um filme light e em inglês pra ter certeza de que nada atrairia a atenção dela. Em mágicos 5 minutos ela choramingou até desistir e adormeceu. Ufa!

Saldo da noite: Mãe acabada, filha dormindo super tarde e quase nenhuma evolução.





Terça-feira: Todo o processo foi atrasado porque a mamis aqui só conseguiu chegar em casa às 21h30. Achei que ia encontrá-la dormindo vendo desenhos mesmo, mas nãaao! Ela estava serelepe brincando com a "Titi" e o "Tabiçu".
Como eu cheguei com presentinho e muita fome, deixei ela curtindo o novo Chocobicho - é, aquele da propaganda mesmo - e fui jantar.

22h, o cansaço me consumindo e a Julia a pino. Automaticamente mudei o canal pro 89 e lá estava o Pocoyo...

É, EU SEI! =T

Além de lidar com a culpa ainda ouvi "Tá vendo? A culpa do desenho é de Isis."
Ok, eu confesso: É mesmo muito mais fácil ligar a TV e deixar isso de pôr pra dormir no horário, com atenção e carinho pra depois.

Já ficou com raiva de mim? Poisé, imagina a auto-tortura que me dei de presente...

Vi que tinha feito besteira e tentei consertar: Avisei que o Pocoyo era o último desenho da noite e, como no dia anterior, depois dele os desenhos todos iriam "nanar".
Ela, já caindo de sono, começou a choramingar em protesto. Fingi que não tinha entendido.
Trouxe travesseiro, dei um "banho de toalhinha", um copo de água, pus o pijama e dei o porquinho chocobicho e o paninho de nanar. Tudo com todo cuidado pra manter o sono por ali.
Dessa vez o choramingo durou mais. Julia só dormiu 23h40, mas me senti mais confiante.
Deixei a TV num canal X, com programa Y - ou vocês acham mesmo que a essa altura eu conseguia prestar atenção? - e o volume quase zero. Ela chorava e eu consolava, fazia carinho, mas não cedia. Ela pedia, eu negava e ela chorava mais... E assim foi até o sono vencer. Ufa²!

Saldo da noite: Julia dormiu mais tarde, mas, finalmente, sem o desenho. Mamis se sente um pouco mais no comando agora e com motivação pra continuar. Eba! ^^

"Eu sou o mônstúu"
Então é isso! A meta é uma semana, o prazo limite são 15 dias pra tirar a Julia do desenho, da sala e ajustar o horário de dormir.
Ela pode reclamar, fazer manha e cara de "monstúuu" como for que eu vou conseguir! (Papo motivacional pra ver se eu acredito! hahaha)

Quem tiver críticas/sugestões/elogios (elogios?!), comenta que eu agradeço! #)

Beijos

16 outubro 2011

Relacionamentos pós maternidade

"O problema maior é que é difícil encontrar alguém do sexo feminino hoje em dia que compreenda que ela nunca será o centro do seu mundo, madura o suficiente para aceitar que você sempre terá fotos da ex no computador (porque são as fotos da mãe dele), ser bem resolvida não é fácil, não hoje em dia. As mães solteiras devem ter o mesmo problema. Há poucos Homens e Mulheres no mercado, mas borbulha criançada de 18 a 50 anos." por Rafael Noris em Pai solteiro Procura no Dona Oncinha!

E depois de ler o texto do Rafa e pensar ainda mais nesse assunto tão delicado, resolvi falar sobre isso de ser "Mãe Solteira que já não procura tanto assim".... hahaha

Sim, nós mulheres também sofremos com a oferta demasiada de crianças maiores de idade no mercado. E apesar de enxergar aspectos diferentes quando o assunto é "namorar uma mãe solteira/um pai solteiro", no fim fica tudo bem parecido.

Veja só:
- Pai solteiro é fofo, responsável, um cara que cuida do filho sozinho tem que ser um bom pai. E isso deve atrair mulheres com todas as intenções possíveis!!
X
- Mãe solteira é roubada! Que cara em sã consciência quer chegar perto se envolver numa família (porque mãe solteira não é uma mulher, é uma família) que não é dele?! É muito difícil achar quem queira correr o risco.

Eu não procuro, mas espero que se um dia eu me apaixonar de novo - papo de mulher desiludida, né? hahaha - que o cara saiba que eu não quero um substituto pro pai da minha Ju (até porque ela tem pai!), nem quero um cara pra de repente casar e etc...

Acho que a maioria das mães recém-separadas só quer carinho mesmo, quer uma relação leve pra recuperar o fôlego depois de romper um casamento com o pai do seu filho. Sentiu a pressão?! hehehe

E também acho que as pessoas vêem isso totalmente ao contrário: "Mulher recém-separada e com filho quer é um cara pra pôr no lugar do ex e "arcar" com o pacote completo"!
E é nessas horas que eu penso...Oi?!!

E aí vêm as "complicações" comuns a mães e pais solteiros:

Claro que num namoro o cara vai ter que entender que não é, nem nunca vai ser, prioridade na vida da mulher.
Primeiro porque sim, nós aprendemos que ser mãe/pai é ser referência e se não preservamos nossa individualidade, os filhos vão se inspirar em quê/quem?
Segundo porque o filho sempre vai estar à frente dele. Sempre.

E ainda tem o que pra mim é mais importante nessa história:

Vai que a mulher-mãe-solteira se apaixona, se envolve e namora o cara...
O cara é bacana, entende que vai ficar em terceiro plano sempre, e tudo mais.

#comofaz pra confiar nele e na relação a ponto de trazê-lo pra vida do filho?!

E com isso temos dois problemas distintos:

1 - Confiar numa pessoa o suficiente pra namorar com ela quer dizer que você está dando a cara pra bater, certo?! Se arriscando, afinal, tudo pode acabar um dia.
Mas você é adulto e sabe ou devia saber lidar com isso.
E com uma criança?! O impacto de uma relação da mãe/pai com uma outra pessoa é enorme!
Eu penso que se aparecer com um homem pra apresentar à minha filha ele tem que ser, pelo menos, um cara extraordinário, pois vou estar apresentando uma pessoa em que ela vai confiar com o meu aval.
E essa pressão chega a ser injusta com o coitado que deve ser humano mesmo...

2 - E quando a relação fica séria e vislumbra-se a possibilidade de rolar um "padrasto"?! Não é pai, mas é uma referência familiar, uma pessoa a mais na vida da criança - e do dito cujo também, claro.
E se acaba? #comofaz?! 
Mais um trauma pra todos?! 
Como saber se/quando vale à pena?!

É por essas e outras que eu nem procuro tanto assim... mas mulher depois que vira mãe acredita até em conto de fadas de novo né... então "vai que"?...
hahaha

Beijos :)

12 outubro 2011

Semana da Criança by Maria Julia

E na semana dela e de todas as crianças, a Julia resolveu mandar pérolas mil pra me desmontar... 
Tenho certeza muitos "ownnnn" vão rolar a partir de agora! hahaha ;)


Maju desmonta parte 1

Sábado, dia das crianças da escola... Julia frenética no pula-pula inflável. 
Deixei a avó babando ali por perto e fui buscar o lanchinho dela. 
No caminho de volta, encontro ela aflita no colo da avó:

"Mãe, o ôbu mau soprou o pula pula!"
"Como assim, Ju?"

Minha mãe justifica:
"Desligaram da tomada e o tal pula pula desinflou com a gurizada toda dentro!"

"Eita, Ju, e o que aconteceu?"
"Eu te chamei e você não veio!" - com A voz de menor abandonado e carinha do gato de botas do Schrek.
"Mas filha, a vovó não estava lá?!"
"Tava, mas eu queria você e você não veio."

Mãe sai de perto pra não chorar e rir ao mesmo tempo...


Maju desmonta parte 2

Sábado à noite, aniversário do avô, família fofocando, gurizada pulando num colchão jogado na sala - é, eles fizeram isso mesmo - tudo lindo...
Minha irmã me chama pra contar alguma coisa "urgente" e eu, distraída, tive que ser arrastada pelo braço cozinha adentro.
Julia do outro lado do apartamento:

"Solte a minha mãe!"

E vem aquele toquinho batendo o pé e pondo a mão na cintura defender a mãe já babando litros...


Maju desmonta parte 3

Domingo, aniversário do biso. Família ítalo-nordestina = Farra farra farra. Primos mil, piscina, banda de chorinho... lindo, né? Até a hora de tirar o serzinho da piscina.

"Vamos, Julia?"
"Eu não queria..." - Mais uma vez a carinha de gato de botas...
"Mas tem que ir, vamos!" - E com movimentos ninja-mãe, arranquei ela e saí andando correndo pro quarto pra não dar tempo de ouvir um "ah, deixa ela mais um pouco" pelo caminho e estragar todas as minhas justificativas.

"Mamãezinha... eu queria fica mais... E agora?!"

"Eu sei que você queria filha, mas tá ficando frio, outro dia a gente vai mais..." - Respondo controlando a vontade de amassar a pestinha inteira. =~

Maju desmonta parte 4

A avó deu seu presente do dia das crianças mais ou menos na mesma hora em que fui abrir a porta da cozinha.
Maria Juju vê, suspira, volta correndo pro sofá, pega a boneca nova e corre pro jardim:

"Bom dia, Sol!"

A casa em coro "Awwwnnnn"


Maju desmonta parte 5

No banho pré-jantar:
"Julia, o que você quer comer hoje?"
"Tomatinho amassadinho."
"Que linda, filha! O que mais?" - Já sentiram o tamanho do meu sorriso a essa altura, né?
"Queijinho amassadinho."
"Certo, e o que mais?"
"Macarrão, mãe!" - Mas é CLARO! hahaha

Ontem eu fiz um macarrãozinho ao sugo #macarrãosalva e ela comeu tudo no melhor estilo "chupando o spaguetti e ficando inteira vermelha de molho".

Não sei vocês, mas eu fico abestalhada quando faço algo que ela gosta a ponto de pedir de novo. hahaha #)

Maju desmonta parte 6

Passeio no shopping pra escolher o livro do mês (sim, ela escolhe todo mês um livro. é uma delícia, a gente vai na livraria, senta no chão, lê váarias historinhas e ela escolhe um pra gente levar pra casa) com paradinha pro lanche.

"O que você quer comer, Ju?"
"Méqui Dônaldus"

E a mãe pensando... "semana da criança, ela pode..."
Chega o Mc Lanche Feliz, vamos pra mesa, eu tiro tudo da caixinha e espalho na bandeja:
Batatinhas, Nuggets, suco de uva e maçã (lembra que agora tem fruta no Mc Lanche?).

"Come, filha." - Sem muita esperança que ela sequer notasse o potinho com a fruta.
"O que é isso, mãe?"
"Sobremesa, Ju. Maçã, quer?"
"Maçã?! Que delícia!!!" - com a carinha eufórica que só ela sabe fazer.

E comeu a maçã, tomou o suco e nem lembrou do resto.
Morri de orgulho dela e de vergonha de mim de cair no marketing barato do Mc Donalds. ¬¬

Maju desmonta parte 7

Agora, escrevendo esse post no sofá, olhando ela tomar o leitinho de antes de dormir assistindo Backyardigans:

"Oi mãe"
"Oi filha"
"Quero ver desenho no cúntadô"
"Já já filha, deixa a mamãe terminar de escrever, tá?"
"Mas hoje é Dia das Crianças."

Então tá, né?
Com essa eu dou uma corridinha pra terminar e vou embora. hehehehe


Feliz Dia das Crianças!

03 outubro 2011

Mundinho cor de rosa

Aos 16 entrei numa fase "rock" e me desfiz de tudo que era rosa.
No guarda-roupa, claro.
A mente doce e o coração derretido ficaram comigo, guardadinhos pra viver os melhores momentos da vida.
E vivi os próximos anos achando que o mundo ia acinzentando, avermelhando às vezes, mas nunca mais seria rosa-inocência.

E, 10 anos depois, estou aqui, enebriada com o novo mundinho cor-de-rosa que se instalou em minha vida.
Mas desta vez o mundo não é meu, é dela.
Sou só uma parte dele. Espectadora assídua de cada novidade.

E a cada dia, uma enxurrada delas.
Novidades rosas, amarelas, roxas, azuis, verdinhas...
Todas lindas, brilhantes como o sorriso dela.

E a cada semana, um dia especial: O domingo.
O domingo das novidades mil!
Da casa da bisa, da família reunida, de tentar escapar de fininho pra piscina, de comer de "bolinho", de melancia na sobremesa...

E num domingo qualquer, uma novidade cor-de-rosa-mocinha (afinal, ela não é mais rosa-bebê).

Novidade feita de água, sabão e um biquinho lindo soprando cuidadoso pra tudo dar certo...

A minha Juju aprendeu a fazer bolinhas de sabão!!

E o mundo todo ficou rosa! #)

"It's a big world baby, and you're little, for a little while
It's a big world baby, you can fiddle in your own style..."
Que as novidades não cessem jamais.
Que elas sejam sempre coloridas.
Que o tom seja sempre tenro, gostosinho, "aMajucado"....

#suspirodemãe...

28 setembro 2011

"Eu tô trabalhando!!"

"Mamãe, quero pintar."

Pego a mesa rosa com sua cadeirinha e uma revista de colorir.
Sento ao seu lado e vou apontando seus lápis-de-cor enquanto ela mostra sua destreza com "táços" quase retos e "bolas" quase redondas. Uma delícia.

"Deixa eu ver, filha!"
"Não, não pode!"
"Porquê, Julia?"
"Eu tô trabalhando! Não mexa nos meus trabalhos!" 

Reconheci imediatamente o tom irritado que já usei quando tentava me concentrar em alguma coisa importante tão importante que já nem lembro o que era e ela insistia em participar.

A repreendi por falar naquele tom comigo, afinal não posso perder a autoridade.

Mas o que eu queria mesmo era abraçá-la e pedir desculpas por ter falado com ela daquele jeito.

Levei algumas horas pra me perdoar por ter perdido a paciência. Até porque já perdi a paciência mais de uma vez - afinal de contas, estamos no meio dos terrible two - e dei broncas nem sempre na proporção exata da travessura. Fico péssima depois, mas acontece mesmo.

Guentaí a cara de "anjinho"!

Repeti pra mim várias vezes que sou humana e que criança tira a gente do sério mesmo.

Acho que o segredo é demagogia de menos e educação de mais!

Apesar do coração apertado, adoro ter a oportunidade de errar e acertar, de ser mãe de verdade da minha princesa.

Tenho certeza de que um dia vamos rir juntas disso. ^^